Textos


O MATERIALISTA
Ó, poeta, qual o quê!
Vou lhe dá um toque real,
E não me leve a mal,
Nada contra você.


Mas é preciso esclarecer
Que este mundo irreal
E etecetera e tal
Que habita em você,


Não se consegue ver,
Nele nada é legal,
Sem o fundamental,
Daí não se pode crer.


Sabe aquele seu Sol,
O que descansa no anoitecer,
E aquela sua Lua como lençol
Que inebria todo seu ser?


Poia é, poeta, esquece...
O Sol, astro real,
Dia após dia é igual,
Aqui e ali só aquece,


Ilumina, esconde e deixa escuridão.
No seu caminhar, Terra em rotação
Passa aqui, na Islândia, Rússia e Japão
Incansável, sem descanso, sem paixão.


Pois é, poeta, apura:
A Lua, um satélite
Como espelho luz reflete
Torna a noite menos escura.


A enluarada noite de amor?
O Sol que aquece o coração?
Ora, poeta, meu irmão!
Qual o quê, faça-me o favor!
Ismeraldo Pereira
Enviado por Ismeraldo Pereira em 16/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Áudios Relacionados:
O MATERIALISTA - Ismeraldo Pereira


Comentários