Ismeraldo Pereira Sousa
"Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?" Drummond
Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
O vento que venta aí
é o mesmo que venta aqui.

Vento brincalhão
não deixa nada no lugar,
vento espalhafatoso
quer tudo desarrumar.

Entra nas nuvens molhadas,
banha-se na chuva fina,
embebendo-se de frio
no cobertor nos confina.

Despenteando todas árvores,
põe folhas a farfalhar;
mostra-se gostar de música
faz janela assoviar.

Desportista ele quer ser.
Vem manhoso me mostrar,
bolas do neto esquecidas,
chuta pra lá e pra cá.

Vento, te espero amanhã.
Faz sua brincadeira cá
retira do sol calor
para também brincar lá.

Desta vez faz-se de brisa,
amoroso, brincalhão;
abrace-nos caloroso
aquecendo o coração.
Imagem da internet
Ismeraldo Pereira
Enviado por Ismeraldo Pereira em 27/06/2020
Alterado em 27/06/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links